segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Ben Carson - o neurocirurgião

  Ele era um dos piores em questão de notas. Era F todas as vezes que fazia uma prova. Sua mãe, sendo cristã e viúva, se esforçava o máximo para cuidar dele e de seu irmão, que mais tarde se tornou um engenheiro. Ela orava todos os dias por eles e trabalhava duro para conseguir o sustento. Ela tentava, de todas as formas, ajudar a Ben e seu irmão, mas ela era iletrada, e trabalhava como lavadeira e diarista. Como não sabia ler, então não sabia como ajudá-los. Benjamin, um dia, ouviu uma história emocionante na igreja que frequentava junto com sua mãe. Uma história sobre um médico, que o fascinou e despertou-lhe o interesse pela profissão. Mas isso não seria possível com as suas notas atuais. Então sua mãe, para contornar a situação, tomou uma atitude: Chega de televisão!

  Se for assistir, apenas um programa por semana. A partir dali, os irmãos Carson pegavam dois livros na biblioteca, liam e faziam um resumo todo fim de semana. No início, custaram a se acostumar com a nova rotina, mas depois, como consequência, suas notas melhoraram.

  Apesar de todas as melhoras, Ben tinha um problema que sua mãe não conhecia: o seu temperamento.
  Ele e sua mãe brigavam, algumas vezes até, sem motivo algum. E isso afetava a todos na casa, inclusive seu irmão, que tentava, na maioria das vezes, amenizar a confusão.

  Certa vez, ele e um colega de escola estavam conversando. Ben curte músicas clássicas e, naquele momento, estava ouvindo. Seu colega achou aquela música ridícula e começaram a discutir. E foi uma discussão muito violenta. Naquele tempo, quem andava com canivete era temido por todas as pessoas da região. E Ben, nesta circunstância, tinha uma peixeira na cintura. Aconteceu que Bem, de arma empunhada, tentou acertá-lo na cintura. Mas, por sorte dos dois, o sujeito estava usando um cinturão típico do Texas, que se partiu quando ambos se chocaram. Os dois se assustaram e correram desesperados: o sujeito, porque não queria morrer (e estava dando graças por não ter sido acertado) e Ben, porque se arrependeu da besteira que iria fazer, que poderia acabar com sua vida, seus sonhos, seus projetos, enfim, iria acabar com ele.

  Ele teve que modelar muito seu caráter para poder controlar esse mal, mas ele conseguiu graças às orações de sua mãe e uma conversa que teve com ela. Não somente por isso, ele começou a levar mais a sério as coisas de Deus. E assim, conversava com Jesus todos os dias.

  Depois de algum tempo, foi para a faculdade, onde procurou se afastar de confusões e problemas com outras pessoas. Estava pensando em qual especialidade iria seguir. Decidiu ser neurocirurgião, porque gostava da complexidade do cérebro. Antes de fazer a prova, ele estudou demais, e acabou dormindo durante seus estudos. E teve um sonho interessante:

  Ele estava sentado na cadeira da faculdade, enquanto que o professor escrevia algo no quadro de giz. Ele se levantou, agoniado com o barulho do giz na lousa, e tomou o giz do professor, que sumiu misteriosamente depois desse ato. Ele, vendo que o professor escrevia o assunto que estudara a noite toda, procurou um livro para completar. Mas não encontrou nenhum. Percebeu sua mãe sentada na última cadeira. Ela lhe disse: "Complete o problema! Você não precisa de livro, o livro está em você!"

  E então ele acordou, já atrasado para os exames. Quando se sentou e abriu a prova, viu que a questão que ele sonhara caiu nela, e tirou um A.
  Foi aprovado, e entrou como estagiário num hospital, no qual tinha de fazer tudo com supervisão. Mas, um dia, os supervisores estavam ocupados e ele teve de fazer a operação sozinho. Se ele falhasse, a reputação do hospital cairia em grande escala, mas ele conseguiu. E, quando esperava uma bronca do supervisor, recebeu uma promoção: Se tornou um neurocirurgião, e mais tarde comandou a parte de pediatria daquele hospital. Ele se tornou, desde então, o maior neurocirurgião do mundo, resolvendo casos quase impossíveis.

  O caso mais importante de sua carreira foi o dos bebês gêmeos ligados pelas cabeças. Ele teve de chamar ajuda de uma equipe de cirurgiões plásticos, cardíacos, de várias enfermeiras e outros neurocirurgiões para auxiliá-lo. Todos treinaram bastante antes de fazer a cirurgia. E, finalmente, estavam prontos. Depois de vinte e duas horas de cirurgia, eles conseguiram separar os bebês. O sucesso da cirurgia teve uma repercussão tão grande, que até hoje são utilizados os mesmo métodos para separar bebês com o mesmo problema.
  Ele, então, se tornou o primeiro cirurgião a separar gêmeos ligados. E depois disso, resolveu mais de centenas de casos. Enfim, ele é um grande médico!

  Ele não era nada, e Deus fez dele alguma coisa. As orações de sua mãe foram atendidas. Nada do que ele fez foi mérito próprio. Teve sempre uma mão amiga que o auxiliou em momentos de tensão. Sua vida, hoje, é tomada como exemplo por todas as pessoas do mundo.

Mais tarde, ele escreveu seu livro. Escreveu como ele se transformou de moleque pobre em um médico de sucesso --- "Graças a Deus, e a minha mãe, hoje sou o que sou!" Benjamin Carson
  Em outros exemplos de transformação completa pela graça de Deus, encontramos os filmes: “vencendo gigantes” e “a virada” que mostram pessoas que não tinham nada, ou perderam tudo. E, mais tarde, por confiar no Senhor, se transformaram e conquistaram seus sonhos e planos.
"Eu segurei muitas coisas em minhas mãos, e eu perdi tudo; mas tudo que eu coloquei nas mãos de Deus eu ainda possuo.”
Martin Luther King

Enquanto isso, dê uma olhada nas outras histórias presentes nesse blog.
Boa leitura!

3 comentários:

  1. i love u ben carson...u are ma inspiration, even knw that i watch ur fil yesterday?

    ResponderExcluir
  2. A mãe de Ben não era viúva, ela havia se divorciado porque descobriu que seu marido tinha outra família!! -_-

    ResponderExcluir
  3. Ela tbm trabalhava como BABÁ e diarista... Na hora da "televisão", eram 2 programas por semana!! Blog de péssima confiança :-@#364666

    ResponderExcluir